Archive

Cartas – Letters

I feel old. So old.  Right now I could have 93. The weight of the world upon my shoulders. I’m hunchbacked. I need a cane to drag myself around.

I‘m old within. I saw so much sorrow in my days… Immeasurable pain and just little relief.

I saw myself crying. In bed, in rain. Alone, accompanied, in vain. Until my eyes were red, my tears dried out, until I had no air.

I let despair guide me. My pain, my cane. The only thing I had to hold on to. To keep me real, to make me feel.

I wanted to feel. I wanted to ache, to sob, to burn. To die and never come back. To die without notice, in the dark. No tears, no notes.

I didn’t. I did not. I’m here – alive. And although I feel like 65 now I’m crawling my way up again as I write these words down.

I‘m fun. I’m smart. I learn quick and have a pure heart. I wish people well, I cry with their misery. I’m the most empathetic person you’ll ever meet.

I read, I write. I know good music. I’m fun. I laugh a lot and make people laugh with me. Sometimes I even think I’m pretty in some twisted way.

I forget this things easily too. It may be because of my age. But I’m here. I’m fighting against all odds.

I‘m not always winning. Oh, no. Some days darkness comes by – just to say Hi! It’s there, hiding in the corner of my weak heart. I have to watch it close otherwise it haunts me again.

*

When you think I’m crazy, yes! Maybe I am. But I stumbled through so much you’d think I’m pretty sane.

When you don’t want understand what even I can’t explain… Well, maybe it’s not our fault – we’re just exploring new terrain.

When you run away without warning, you’re leaving me alone in the rain.

When you don’t give your attention to me and waste the friendship I thought we were trying to built that’s your loss too.

When you feel threatened by me, don’t. I wouldn’t trapped or hurt you, ever. I’m like no other that came before in your way.

When you don’t talk it’s your fault. Tell me. Tell me always. I’m open to whatever may come.

*

So, I have a treat: let’s walk this together? As friends, as lovers, whatever may be. Shall we?

Hey you!
It’s time for you to leave New Zealand! It’s a sad time for me. But I know that’s an cycle in your life that ends – and I hope another one, a better one, will start now for you.

Don’t ever forget about the ones you’re going to left behind ‘cause we certainly will not forget about you. Or about you’re beautiful and huge country! LOL

I just wish you to know that was a pleasure know you and be part of your kiwi experience. You’re a beautiful person – not just outside – but a pure and sincere hearted person.

Since our first trip together I took you as a good model to follow: and I couldn’t be more right about that. You thought me to not be afraid to ask things, to emerge in the cultural things, to enjoy nature, to enjoy a good hike (!!) and to clean up my mess in your apartment, because you don’t have a cleaner! LOL

Maybe you didn’t know about that but I swear it’s the truth. You know what more is true? “Everybody’s a winner, babe – that’s the truth!” hahaha.

Hope you have tons of fun back there and maybe we can meet again sometime… Who knows? The world is tiny! Take care, will you?

See ya, mate!

Bernardo,
fiquei horas pensando se deveria escrever ou não. Acontece que faz uns meses que estou com isso tudo entalado na garganta e está me fazendo mal não dizer. Porém, não é um assunto nada agradável e provavelmente você não vai gostar do que vai ler. Mas entre a crueldade de dizer e a negligência de não dizer, prefiro ser cruel, esvaziar meu peito e te fazer pensar (e quem sabe até mudar!).

Você ainda não reparou que não somos mais amigos? Não temos nada em comum! Minha vida andou, querido, estou em outra. E você? Você é o mesmo loser de sempre, 30 anos nas costas, sem amigos de verdade, morando na casa dos pais e desempregado. Ainda por cima, vive se humilhando pra conseguir migalhas de atenção de uma pessoa que caga e anda pra você. E vive por aí, com o rei na barriga, achando que tudo de mal que te acontece é culpa da aleatoriedade do Universo! Wake up, cara!

Não vê que o problema todo é você mesmo? Sempre rabugento, ranzinza e fanático! Sim, porque apesar de você ser ateu, é fanático e chato pra caralho! E olha que eu até simpatizo com essa ideia!

Então eu te dou uma dica: reveja seus conceitos! Desse jeito você vai morrer sozinho, sem ninguém pra sentir de verdade tua falta e só vão achar teu corpo uma semana depois, quando o fedor tomar conta da casa! Sim, você fede, querido! Exatamente como todos os outros seres humanos que você faz questão de dizer que são menos que você.

Fica a dica!
Fabiana.

Querida Maria,
quanta saudade já sinto de ti. Isso porque estive em seus braços a menos de 3 horas! E mesmo assim a saudade me sufoca até quase me matar! A distância entre nós aumenta a cada minuto dentro deste trem, e me pego pensando no por que embarquei.

Em seguida me lembro que na próxima estação tudo será alegria e descobrimento – exatamente como você previu! Mas me parece um quadro preto e branco essa alegria sem seus abraços, sempre tão amorosos! Amor que nunca mais encontrei igual, em estação nenhuma do mundo. Este pensamento faz com que lágrimas rolem pela minha face. Mas não quero nunca te deixar triste, pois sei que trilho este caminho também por você.

Prometo dar o melhor de mim sempre, exatamento como você me ensinou. E voltar pros seus abraços com muitas vitórias pra contar!
Com muito amor,
Valquíria.

Querida Rebeca,
então não sabes que te amo? Que habitas meus sonhos mais felizes e também os mais molhados? Não sabes que te perdôo por me traíres? Que sem mim o seu melhor fica sempre escondido, pois só eu te conheço por inteira? Conheço cada recanto dessa tua mente perversa e, mesmo assim, te amo?

Sei que invejas minha felicidade – apesar das adversidades, que me achas infantil e mimada. Mas sei também que mesmo em outros braços não se sente completa. Que te aproveitas da fraqueza alheia para te fazeres de forte, mas que na verdade morres de medo do amor?

Sei também que achas meu tratamento inadequado, que não te trato à altura da mulher que és. Mas estás enganada! Se te contrario, é só porque te amo! Porque quero te abrir os olhos para a vida que te cerca e te fazer enxergar que nem sempre estás certa.

Estou aqui, te esperando. De braços e pernas abertas.
Quando quiseres voltar, não sejas orgulhosa, volte!

Com amor,
Ana.